CINEMA & EDUCAÇÃO

Dedicado a professores, alunos e amantes da 7ª Arte…

A Muralha

Profa. Ms. Cintia M. S. Palma

Profa. Mariana A. Costa

– em construção –

 

Gênero: Aventura/ Drama/ Romance/ Histórico

Formato: Minissérie

Duração de cada episódio: 40 minutos aproximadamente

País de origem: Brasil

Escrita por Maria Adelaide Amaral, João Emanuel Carneiro e Vincent Villari, Direção: Denise Saraceni, Luíz Henrique Rios e Carlos Araújo.

Direção geral: Denise Saraceni e Carlos Araújo

Núcleo: Denise Saraceni.

ELENCO

Alessandra Negrini ……………………………… Isabel Olinto.

Alexandre Borges………………………………… Dom Guilherme Schetz

André Gonçalves…………………………………. Apingorá

Ângelo Paes Leme………………………………..Vasco Antunes

Cacá Carvalho ———- Frei Carmelo

Caco Ciocler ———- Bento Coutinho

Carlos Eduardo Dolabella ———- João Antunes

Cecil Thiré ———- Dom Bartolomeu

Cláudia Ohana ———- Antônia Brites

Leandra Leal ———- Beatriz Ataide

Leonardo Brício ———- Tiago Olinto

Letícia Sabatella ———- Ana Cardoso

Maria Maya ———- Moatira

Matheus Nachtergaele ———- Padre Miguel

Mauro Mendonça ———- Dom Braz Olinto

Pedro Paulo Rangel ———- Mestre Davidão

Regiane Alves ———- Rosália Olinto

Sérgio Mamberti ———- Dom Cristovão Rabelo

Vera Holtz ———- Mãe Cândida Olinto

Paulo José ———- Padre Simão

Stênio Garcia ———- Caraíba

Tarcísio Meira ———- Dom Jerônimo Taveira

 

SINOPSE

A história se passa pelas cercanias da Vila de São Paulo, um século depois da chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil, onde ocorrem diversos conflitos entre índios, colonizadores, bandeirantes e jesuítas catequizadores. A partir da chegada à costa brasileira de quatro europeus: Ana (Letícia Sabatella), Antônia (Cláudia Ohana), Beatriz (Leandra Leal) e Miguel (Matheus Nachtergaele) muitos conflitos por posses de terras e amores proibidos ocorrerão.

 

TEMA

Brasil colonial; Bandeirantes; Jesuítas; História de São Paulo; Inquisição; Conflitos Índios X Colonizadores;

 

 

CURIOSIDADES

– O CD da trilha sonora existiu mas não foi comercializado, apenas distribuído internamente.

 

– A Muralha foi exibida pela Rede Globo entre 4 de janeiro de 2000 a 31 de março de 2000 e foi um grande sucesso de público e crítica (sua estréia rendeu 44 pontos de média para a emissora).

 

– A estréia da minissérie veio a calhar no ano de comemoração dos 500 anos do Descobrimento do Brasil.

 

– Mauro Mendonça e Tarcísio Meira trocaram de personagens poucos dias antes de iniciar as filmagens. Tarcísio faria o bandeirantes Dom Brás, mas optou na última hora em interpretar o malévolo Dom Jerônimo Taveira e solicitou a troca. Os diretores acataram sua idéia, o que resultou na melhor performance artística do ator em toda a sua carreira, segundo os críticos.

 

– O núcleo indígena de Lagoa Serena, composto pelos atores André Gonçalves, Patrick de Oliveira, Maria Maya e João Pedro Roriz, realizou diversos laboratórios na floresta da Tijuca, semanas antes do início das gravações. Durante o laboratório, os atores caçavam, caminhavam na floresta e construíam tabas. A intenção era “embrutecer” os atores para viverem os seus personagens, segundo Carlos Araújo, no DVD da minissérie, recém-lançado pela Globo Filmes.

 

– A trama de Dinah Silveira de Queiroz já havia sido adaptada para telenovela por Ivani Ribeiro para a TV Excelsior em 1968, com direção de Sérgio Britto. Os atores Mauro Mendonça e Stênio Garcia, respectivamente Dom Brás e Caraíba, na segunda montagem, foram os únicos atores a participarem das duas montagens televisivas, tendo interpretado Dom Brás e Aimbé, respectivamente.

 

– Essa foi a terceira vez que Alessandra Negrini (Isabel), Leonardo Brício (Tiago) e Mauro Mendonça (Dom Braz) trabalham juntos, as outras duas foram nas novelas Meu Bem Querer e Anjo Mau. Nessas duas novelas, Alessandra e Mauro interpretaram pai e filha.

 

– O nome da protagonista foi alterado em relação ao livro e as versões de 1961 e 1968, a protagonista na minissérie se chama Beatriz, mas originalmente se chama Cristina.

 

 

– Cada capítulo custou R$220 mil, mais do que o de uma novela (que gira em torno de R$150 mil).

 

– A pesquisa histórica foi minuciosa, e contou com pinturas da época e documentos como inventários e testamentos para remontar o século XVII.

 

– Foram construídas duas cidades cenográficas fora do Projac: Vila de São Paulo e Lagoa Serena, com 10 mil metros quadrados cada uma. Além delas, a cenografia criou três aldeias indígenas com ocas em tamanho natural, e o elenco gravou em locações como Floresta da Tijuca, no Rio; Chapada dos Veadeiros, em Goiás; e Serra do Mar, em São Paulo. Em muitas cenas, índios xavantes e guaranis trabalharam como figurantes.

 

– No primeiro capítulo, foi usada a mesma caravela do filme “1492”, com Gérard Depardieu.

 

– exibida pela Rede Globo de 4 de janeiro a 31 de março de 2000, às 22h30, com 51 capítulos.

– A muralha é referência à Serra do Mar, um grande obstáculo às incursões ao centro do país.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: