CINEMA & EDUCAÇÃO

Dedicado a professores, alunos e amantes da 7ª Arte…

A ONDA

Profa. Mariana Andrade da Costa

 

(Die Welle)

 

 Gênero: Drama

Duração: 101 min.

Lançamento: 2008

País: Alemanha

Classificação etária: 16 anos

FICHA TÉCNICA

Direção: Dennis Gansel

Roteiro: Dennis Gansel e Peter Thorwarth, baseado no livro de Todd Strasser

Produção: Nina Maag

Fotografia: Torsten Breuer

Trilha Sonora: Heiko Maile

 

ELENCO

 Jürgen Vogel – Rainer Wenger

Frederick Lau – Tim Stoltefuss

Max Riemelt – Marco

Jennifer Ulrich – Karo

 

 

SINOPSE

Rainer Wegner, professor de ensino médio, deve ensinar seus alunos sobre autocracia. Devido ao desinteresse deles, propõe um experimento que explique na prática os mecanismos do fascismo e do poder. Wegner se denomina o líder daquele grupo, escolhe o lema “força pela disciplina” e dá ao movimento o nome de A Onda. Em pouco tempo, os alunos começam a propagar o poder da unidade e ameaçar os outros. Quando o jogo fica sério, Wegner decide interrompê-lo. Mas é tarde demais, e A Onda já saiu de seu controle. Baseado em uma história real ocorrida na Califórnia em 1967.

 

TEMA

Totalitarismo; Neonazismo;

ATIVIDADES SUGERIDAS

 

 1) Qual o tema do filme? O que os realizadores do filme tentaram nos contar? Eles conseguiram passar sua mensagem? Justifique sua resposta.

 2) Você aprendeu alguma coisa com este filme? O que?

 3) Algum elemento do filme não foi compreendido?

 4) Do que você mais gostou neste filme? Por quê?

 5) Qual o seu personagem favorito no filme? Por quê?

 6) Qual é o personagem de que você menos gostou? Por quê?

 7) Solicite aos alunos que leiam a reportagem abaixo:

 

 Polícia indicia jovens por incitação ao nazismo

Nas casas dos estudantes, foram apreendidos computadores e revistas

Policiais civis da Delegacia de Copacabana (12ª DP) desencadearam, na manhã desta quarta-feira (9), uma operação para identificar e indiciar jovens suspeitos de incitação ao nazismo. Foram cumpridos mandados de busca em três endereços, onde foram apreendidos computadores e revistas alusivas ao nazismo.
A operação foi desencadeada após uma festa dos estudantes de psicologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), em 13 de dezembro de 2010, no Clube Israelita Brasileiro, na avenida Barata Ribeiro, em Copacabana, zona sul.

Segundo a polícia, Luiz Vinicius Cosenza, 23 anos, estudante de publicidade, ficou exibindo de forma debochada uma tatuagem nazista que havia feito na coxa esquerda, em pleno clube judeu, como forma de afronta. Ele e mais dois estudantes que estavam na festa são suspeitos.
Durante a operação foram cumpridos mandados de busca em três endereços: no Grajaú e na Tijuca, na zona norte, e em Copacabana, na zona sul, locais onde foram apreendidos computadores e revistas alusivas ao nazismo.

Os suspeitos foram levados para a 12ª DP para prestar depoimento. Os autores desse tipo de crime estão sujeitos a pena que varia de dois a cinco anos de reclusão. Segundo o delegado Antenor Martins, a polícia vai continuar reprimindo qualquer movimento ou atitude neonazistas.

O nazismo é uma ideologia praticada pelo Partido Nazista da Alemanha, formulada por Adolf Hitler, e adotada pelo governo de 1933 a 1945. No Brasil, como em vários outros países, a apologia ao nazismo é capitulada em lei como crime inafiançável. Entre seus elementos-chave estão principalmente o anti-parlamentarismo, o racismo, o anticomunismo e a oposição ao liberalismo econômico e político.

[Disponível em: http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/noticias/policia-indicia-jovens-por-incitacao-ao-nazismo-20110209.html]

 

– Relacione a reportagem acima com o filme “A Onda”.

 

8 ) Observe atentamente o quadro abaixo:

     
IDEAIS IDEAIS IDEAIS
Nacionalistas, criticam a presença de empresas estrangeiras no País. Discriminam homossexuais e drogados. Fazem apologia da violência como retórica política. Cultuam a bandeira nacional. Integralistas, seguem a doutrina fascista de Plínio Salgado. Discriminam judeus, homossexuais e drogados. Não ingerem bebidas alcoólicas. Defendem a violência como meio de defesa. Neonazistas, discriminam judeus, negros, nordestinos, homossexuais e drogados. Defendem a separação do Sul do País. Adotam a suástica como símbolo e a violência como forma de coação.
ORGANIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO
São cerca de 100 em todo Brasil. Principais grupos estão na zona leste de São Paulo A facção carioca chamam-se Carecas do Rio de Janeiro. Não têm hierarquia e aceitam mulheres em suas fileiras. São filhos de operários e a maioria trabalha e estuda. A maioria filhos de operários, os  cerca de 50 integrantes concentram-se no ABC paulista, onde se reúnem nos finais de semana para discutir sua ideologia racista. Agem respeitando a hierarquia militar. Não aceitam mulheres entre os “soldados” e “generais”. Também conhecidos como Skinheads, reúnem mais de mil jovens que agem principalmente em São Paulo. Não obedece nenhuma hierarquia. A maioria pertence a famílias de classe média. Mantém contatos com grupos direitistas estrangeiros.
VISUAL VISUAL VISUAL
A regra é cabelo curto. Vestem jeans, bota ou coturno. Usam boné e capuz. Praticam musculação e lutas marciais. Carregam corrente, soco-inglês e revólver. Vestem jeans e coturno. Usam boinas para esconder o cabelo bem curto, quase raspado. Não portam nenhum tipo de arma – lançam mão apenas da força física para lutar. Costumam circular com armas escondidas bem embaixo das jaquetas. Bonés e capuzes escondem o cabelo cortado bem curto. Lutam boxe e fazem musculação.

[Extraído de, OLIVEIRA, Malu. Cabeças ocas: Gangues racistas e neonazistas saem do porão e usam a violência para divulgar suas ideias. Revista Isto é, 07/10/1992. Disponível em: http://www.cefetsp.br/edu/eso/lourdes/neonazistascabecasocas.html]

 

 a) Peça aos alunos que pesquisem mais sobre o assunto discutindo com eles a questão da presença de grupos neonazistas no Brasil.

 b) Relacione as discussões suscitadas pelo filme A Onda com o que descobriram em sua pesquisa.

 

 

REFERÊNCIAS

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.

 OLIVEIRA, Malu. Cabeças ocas: Gangues racistas e neonazistas saem do porão e usam a violência para divulgar suas ideias. Revista Isto é, 07/10/1992. Disponível em: http://www.cefetsp.br/edu/eso/lourdes/neonazistascabecasocas.html

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um comentário em “A ONDA

  1. Eduarda Giceli
    25 de abril de 2016

    Eu queria saber as respostas das perguntas,como eu acho?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: